Política de Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, registo e recolha de dados estatísticos.
Ao prosseguir a navegação com cookies ativos está a consentir a sua utilização.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela Agrogarante.Saiba mais

Compreendi
Asset 5

Notícias

Certificação europeia de produção agrícola liderada pela Universidade de Évora

2021-10-26

"É no contexto do projeto OLIVARES VIVOS +, financiado pelo Programa LIFE na área de Natureza e Biodiversidade, que Portugal passa a integrar uma rede de países europeus que vai testar e implementar um novo certificado que garanta a integração da biodiversidade na gestão das agroecossistemas.

Liderado no nosso país pelo Grupo de Investigação em Biodiversidade e Alterações Climáticas no Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento (MED) da Universidade de Évora, José M. Herrera, coordenador do projeto adianta que o principal objetivo é "desenvolver um certificado que garante o compromisso dos olivicultores com a conservação da biodiversidade”, para tal, "será testado o impacto das práticas agrícolas na biodiversidade, bem como a eficiência de diferentes atuações destinadas à sua conservação, nomeadamente o incremento da disponibilidade de refúgios artificiais para a fauna vertebrada e invertebrada”.

José Herrera, sublinha ainda a importância de "valorizar o papel da biodiversidade na sustentabilidade dos sistemas agrícolas, e providenciar aos agricultores um certificado que garanta o seu compromisso com a biodiversidade e os serviços derivados da sua conservação”. Os investigadores esperam ainda "contribuir para uma maior resiliência e resistência, face às alterações climáticas, do olival, uma cultura chave para a economia da Europa mediterrânea em geral e de Portugal em particular", recorda o investigador.

O projeto denominado por OLIVARES VIVOS + (LIFE20 NAT/ES/001487), conta com a participação de 4 países europeus, com particular relevância na cultura da oliveira, nomeadamente Espanha, Itália, Grécia e Portugal.”

Fonte: Agronegócios 


Ver todas as noticias