Política de Cookies

Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, registo e recolha de dados estatísticos.
Ao prosseguir a navegação com cookies ativos está a consentir a sua utilização.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pela Agrogarante.Saiba mais

Compreendi
BPF_prorrogação dos períodos de carência de capital
Linha de Apoio a Economia COVID 19 micro e pequenas empresas SPGM
Linha FIS CREDITO SPGM Garantia Mutua
COVID-19 Apoio às Empresas dos Açores
Linha de Crédito Investe RAM Covid-19.
Capitalizar Turismo
Asset 5

Notícias

Projeto entre UTAD e Altice Labs vai contribuir para a preservação do eno-património histórico do Douro

2021-07-01

Chama-se eno-Analytics o projeto aprovado pela Altice Labs enquadrado no Plano de Inovação 2020 e que pretende criar um sistema inteligente que auxilie a identificar castas na região do Douro e a estabelecer correlações com qualidade do vinho, com recurso à Internet das Coisas (IoT) e a técnicas de Machine Learning.

Este projeto foi alvo de um acordo de confidencialidade entre a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e a Altice Labs e está a ser desenvolvido sob a coordenação de Salviano Pinto Soares e de António Valente, docentes e investigadores da Escola de Ciências e Tecnologia (ECT) da UTAD, na Quinta do Crasto, situada na Região Demarcada do Douro, no âmbito duma tese de Doutoramento em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores por Sérgio Silva e que conta também com Filipe Cabral Pinto, da Altice Labs, na equipa de supervisão.

Esta parceria resulta da colaboração de mais de 15 anos que a ECT/UTAD tem mantido com a empresa sucedânea da PT Inovação e está a ser desenvolvido na Quinta do Crasto, na sequência do projeto PatGenvinhas que surgiu em 2013, também nesta Quinta, pela necessidade de preservação da "emblemática vinha velha Maria Teresa” (VMT), que tem mais de 100 anos.

O projeto PatGenvinhas, acompanhado por Salviano Pinto Soares num enquadramento SIFIDE, teve como principal objetivo caracterizar a totalidade da variedade de castas nas aproximadamente 30.000 plantas que fazem parte desta vinha velha, iniciativa concluída no final de 2019, com a "identificação de mais de 50 castas diferentes, entre tintas, bancas e rosadas, algumas extremamente raras e ainda não genotipadas”. Recentemente o Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP) e a Revista de Vinhos registaram este esforço de "preservação do território duriense” com "contribuições para a vitalidade da região”, atribuindo-lhe o Prémio "Douro+Sustentável” em setembro de 2020 e "Os melhores do Ano” de 2020 na Categoria Inovação/Investigação, respetivamente.

Fonte: Agronegócios


Ver todas as noticias